Vinicius de Moraes

Soneto do Amor Total
Amo-te tanto, meu amor... não cante
O humano coração com mais verdade...
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade.

Amo-te afim, de um calmo amor prestante
E te amo além, presente na saudade
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.

Amo-te como um bicho, simplesmente
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.

E de te amar assim, muito e amiúde
É que um dia em teu corpo de repente
Hei-de morrer de amar mais do que pude
Rio de Janeiro, 1951

3 comentários

  1. ADORO Vinicius Linda :)

    Por vezes dou comigo a pensar, será que algum dia conseguirei escrever ou proclamar versos como os dele? Vindos do fundo da Alma, do meu ser? Espero bem que sim...

    Espero que este poema expresse o teu estado de espírito, porque é sinónimo de que estás feliz :)

    Beijinho Grande

    ResponderEliminar
  2. Gaja: sim, feliz!;)

    BÊ: uma delícia...

    ResponderEliminar

Com tecnologia do Blogger.