Mimo


o meu pai é o meu herói
teve uma infância difícil mas traçou o seu próprio caminho.
forçado a trabalhar desde cedo para aumentar o rendimento mensal da família, nunca deixou de perseguir os seus sonhos. e enquanto os irmãos se contentaram em trabalhar no negócio de família (com mérito e reconhecimento meu), o meu pai quis estudar.
foi mal visto.
incompreendido.
continuou a ajudar a família de dia
e à noite ia para a faculdade de engenharia.
entretanto, começou a sua própria família.
eu nasci quando ele se dividia entre um trabalho físico extenuante e um trabalho mental desgastante.
quando ele chegava a casa eu já dormia.
ele tinha saudades minhas.
pegava-me ao colo, ligava o gira-discos e dançava comigo.
ouvíamos Beatles, Carlos Paião, Sérgio Godinho...
a minha mãe dizia que eram mimos em excesso
mas sorria satisfeita ao testemunhar a cena.

hoje entro em casa dos meus pais
e vou directa ao escritório dele
há sempre uma música maluca no ar
jazz, clássica... LINDA
há sempre livros a desequilibrarem-se nas prateleiras
há sempre um cd que ele me empresta para ouvir
um livro que me oferece, porque sim.
estragaram-me de mimos.
com 15 anos ainda fugia para a cama deles, à procura de refúgio,
era recebida com um abraço
e às vezes erámos já 4 por baixo dos lençóis.

aos 30 ainda gostaria de o fazer
mas como se torna logísticamente mais complexo
não tenho qualquer problema
- mas mesmo nenhum diga-se -
em enrolar-me nos lençóis com a mais pequena,
dar-lhe um refúgio no quentinho do nosso meio,
e se a estragar com mimos
não me importo.

nada sabe melhor que um abraço em volta daquele corpinho cheiroso
que se agarra ao meu pescoço
e me deixa adormecer na maior paz
a olhar para as suas bochechas rosadas
e a sentir a barriga dela a subir... e descer... por baixo do meu braço.

9 comentários

  1. Lindo, tão Lindo que me deixou com a lágrima no canto do olho... 8)
    Bjinho*

    ResponderEliminar
  2. Lindo, também eu tenho saudades de me enfiar na cama dos pais, sentir aquele aconchego junto do meu corpo. Infelizmente o meu pai já partiu mas tem alturas que ainda sinto os seus braços em meu redor... imagino que abraçar um filho deve ser igualmente fantástico, espero sinceramente um dia poder passar por essa experiência... bjs

    ResponderEliminar
  3. buááá....... :'(

    agora fiquei com saudades do meu pai

    Adorei este teu post! Fez-me rever cenas da minha infância...

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  4. Já vi que o teu pai é o grande responsável por gostares tanto de arte:-) E fazes muito bem em mimar a tua filhota, não há nada melhor! Bj:-)

    ResponderEliminar
  5. Que lindo texto de amor! Daquele do bom, do quentinho! :D e como te compreendo... Ai essa bochechas... tou ansiosa para a ver a correr com a Repolhita! LOL ;)

    ResponderEliminar
  6. Vocês hoje estão a deixar-me sem palavras, dado que a inspiração é assim enorme e bela :))

    Também queroooooooo!!!

    Beijinhos Grandes

    ResponderEliminar
  7. ai porra querias por uma grávida a chorar, era? bem, conseguiste!!!!!

    ResponderEliminar
  8. exagerei um bocado, não? ás vezes tenho saudades de ser pequena (em idade) outra vez... é o mimo que me faz escrever estas coisas

    Mulher: vai ser demais... mas a minha não pode correr senão estatela-se no chão, na certa!!! lol

    ResponderEliminar
  9. Tá nada exagerado pah!
    tá optimo!

    =)

    ResponderEliminar

Com tecnologia do Blogger.