x

César Manrique - Lanzarote Parte 2

imagem 01 - pátio da Fundação César Manrique (se pudesse, trazia aquele mural cá para casa)
apesar de ter lido sobre César Manrique, enquanto elaborava a minha lista de "what to do" na ilha (eu e ele adoramos esta tarefa), não imaginava o deslumbramento que a obra dele me iria causar e a forma como senti e interiorizei aquelas cores, formas, materiais, conceitos...
para mim a melhor forma de descrever Manrique (1919-1992) é dizer que é o Gaudí de Lanzarote!
arquitecto, pintor, escultor, urbanista e restaurador, nasceu em Lanzarote mas formou-se em Madrid e viajou por várias partes do mundo, chegando mesmo a viver durante uns anos em Nova Iorque. em 1968, regressa a casa e dedica a sua Arte, e a sua vida, à preservação do ambiente natural da ilha, ameaçado pelo desenvolvimento turístico. os seus esforços foram bem sucedidos e a administração local introduziu regulamentos que limitam a altura, volumetria, estilo e cor de novas construções. em Lanzarote não há edifícios em altura ou empreendimentos turísticos que se destacam, negativamente, na paisagem.
os seus projectos são um exemplo perfeito de harmonia entre a arquitectura e a paisagem vulcânica da ilha.
morreu num acidente de automóvel, em 1992, perto da sua casa e Fundação.
confesso que foi grande a dificuldade em limitar o número de fotos a ilustrar este post. deixo-vos uma selecção de imagens da sua casa, que ainda em vida transformou na sede da Fundação César Manrique, e dos Jameos del Agua. a sua obra é vasta e super interessante. as suas esculturas fizeram o delírio da mais pequena (ela adora cataventos e ele tem uma série deles; e eu fiquei derretida com os desenhos e telas que vi).
esta introdução, apesar de extensa, era absolutamente necessária e agora venham as fotos...

imagem 02 - corredor interior - Fundação
a sua casa é o exemplo perfeito da integração da construção na paisagem e morfologia do terreno, tão característica da ilha. Manrique aproveita os vazios formados pela lava e pela erosão das rochas vulcânicas. aparentemente é uma casa moderna, branca, simples, mas o seu interior é único. os corredores são escavados nas rochas e ligam pátios naturais onde ele cria zonas de estar absolutamente divinais. acreditem, verdadeiros espaços de chill-out... uma delícia!
imagem 03 - um vazio existente no terreno e eu a espreitar o interior

imagem 04 - o mesmo espaço visto do interior.

imagem 05 - outro pátio interior natural...

imagem 06 - vista da piscina, do piso superior
toda a casa era deslumbrante mas a piscina... aquela piscina, entre rochas negras e sem vistas de mar, era o sonho de muito boa gente... eu incluída. o contraste preto/branco existente em toda a casa transmitiam uma calma e harmonia perfeita.

imagem 07 - entrada no Jameos del Agua
Jameos del Agua é um outro espaço "entre rochas" aproveitando cheios e vazios formados pela lava e pelo mar. existe até um lago interior de água salgada. é possível visitar uma interessante exposição sobre vulcões e, para nosso grande espanto, soubemos que o espaço funciona, três vezes por semana, como... discoteca! se a minha pequena fosse grande... lol
deslumbrante o descer daquela escadaria (conseguem ver a entrada lá em cima perto da tela laranja?) e almoçar naquele espaço foi uma experiência fantástica.
imagem 08 - vista da entrada e zona de comer

imagem 09 - vista geral da zona de comer

imagem 10 - lago salgado entre o restaurante e a piscina.
o restaurante e piscina localizam-se em áreas de "gruta" já existente. pouco é alterado, na morfologia do terreno. a sensação de descer para o lago salgado, vindos do restaurante, e ao subir sermos recebidos por mais uma piscina destas... é de um impacto e de uma força visual muito grande. aliás, força tivemos nós para nos controlarmos e não darmos um salto lá para dentro. a mais pequena esteve uns bons 5 minutos com uma pedrinha preta na mão a perguntar "póxo atirar? póxo atirar? póxo atirar?". sim, ela é mesmo queridinha ao ponto de pedir, antes de cometer uma asneira... ela ainda é assim. temo que o futuro seja ligeiramente diferente...
imagem 11 - piscina, Jameos del Agua

imagem 12 - anfiteatro, Jameos del Agua
existe também um anfiteatro, no meio das profundezas, cuja acústica dizem ser surpreendente. isso não pude confirmar mas a beleza do espaço... essa é indiscutível.
existem mais obras de Manrique em Lanzarote. não as visitamos todas mas pensamos ter visto as mais fantásticas. destaquei estas duas, que penso que definem bem a personalidade do autor e seus principais conceitos. se não estivesse com sono (e não tivesse a noção que também vos provocaria muito sono ao ler outro post deste tamanho...) colocava aqui imagens das pinturas, esculturas... prefiro convidar-vos a clicar aqui e aqui, caso pretendam saber mais. imagem 13 - vista geral.
escolhi esta foto porque dá uma ideia geral da formação rochosa que compõe estes espaços. penso que se conseguem aperceber da proximidade da encosta com o mar e ao lado direito dá para ver a tela laranja da entrada. fantástico, não acham?
e para amanhã fica prometido o post acerca da minha visita à Casa e Biblioteca do Saramago... mais uma explosão de emoções! acabei de escrever este post à 1 da manhã... sono!

11 comentários:

  1. Extraordinário como conseguiu fundir a construção com o espaço envolvente...

    ResponderEliminar
  2. mesmo, Rita. bj

    candy, e as telas e esculturas que por lá andavam... uma delícia, entre uns Picassos e Mirós, Tàpies e companhia. amei!

    ResponderEliminar
  3. Que lindo, Artezinha. Obrigada por partilhares. :)

    ResponderEliminar
  4. Lindo! Não imaginava que Lanzarote fosse tão girinho e com um mar cristalino. Até dá vontade de ir :-) Beijinhos aos 3.

    ResponderEliminar
  5. de nada, Filipa:) bj

    Fios, o que mais não faltam são sítios assim, por esse planeta fora. é tão bom conhecer por "estradas secundárias" :)) hehe bjs

    ResponderEliminar
  6. Um paraiso essa ilha...e adorei a obra do Manrique nao conhecia, agora vou espreitar as pinturas pelo mural devem ser uma explosao de colorido
    Obrigado gaja pelas fotos adoro estas reportagens fazem-me viajar :-)

    ResponderEliminar
  7. Espero que as férias tenham sido óptimas! Pelas fotos parece que sim :D
    E obrigada por no regresso nos mostrares estas fotos de lugares fantásticos :)
    Adorei esta obra e a forma fluída como o espaço construído se funde com a envolvente natural. Quando estivemos em Tenerife no ano passado também visitamos piscinas projectadas por Manrique, uma delícia!
    Aguardo a reportagem sobre a Casa de Saramago ;)

    ResponderEliminar
  8. Ainda por cima com bom gosto artístico!!! ok, era esperado... Que bom!!!

    ResponderEliminar
  9. Gostei muito desta tua visita guiada, à Fundação César Manrique. Fiquei fascinada pela interacção homem-meio natural!

    ResponderEliminar
  10. Filha da mãe desta gaja... fiquei mesmo com vontade de conhecer. Não estavas bem caladinha? E "prontos" lá vou anotar no caderninho mais um local a conhecer.

    ResponderEliminar

Com tecnologia do Blogger.
Design + development by MunichParis Design