Same old shit, different day

 na imagem, a minha velhinha Orbita cor de rosa, na minha posse desde os meus 12 anos

Há uma cena do filme "Os condenados de Shawshank" - no top 10 dos meus favoritos - em que o Morgan Freeman, num primeiro emprego gozando de liberdade condicional, depois de décadas de vida dentro da prisão, pede ao patrão permissão para ir à casa de banho. 

Durante muitos anos conheci uma rotina diária. Hoje em dia, adapto-me a uma nova gestão das 24horas do meu dia. Não é um processo óbvio, nem tão pouco imediato. Se por um lado posso optar por trabalhar depois de jantar e passar a tarde com a mais pequena, por outro lado, sinto ainda muito presente aquela necessidade de acordar, trabalhar, fazer pausa para o almoço, voltar ao trabalho e terminar tarefas, a tempo da jantarada. O inconveniente, nesta nova fase, é que tudo isso se passa dentro das mesmas quatro paredes, que é também o lugar onde durmo, as oito horas de beleza, fundamentais para o bom humor matinal que se deseja.

Agora que estou em casa, preciso de sair de casa.

Por isso, em vez de me atirar para o chão do escritório a rabiscar papeis, vou sentar-me na bicicleta. O pneus estão cheios e num pequeno saco levo o essencial, caderno, aguarelas, lápis, caneta preta, lenços de papel, telemóvel, chaves de casa... e uma moeda para um café em frente ao mar.
Vou sair agora, as we speak, e tenciono fazer a foto-reportagem possível no meu Instagram. Por isso, levo-vos comigo, a passeio. Pelo menos, enquanto durar a bateria. Vamos nessa?

10 comentários

  1. Txhiiii que bom!!!!
    Aproveita e que te traga muita xcriatividade ;)
    (ontem postei um pouco de ti)
    OBRIIGADA!

    ResponderEliminar
  2. bute nessa! Vou estar atenta! E aproveita essa liberdade! :)

    ResponderEliminar
  3. ehehe, eu sinto o mesmo!
    Ainda sinto essa dificuldade de me ajustar a novas rotinas - ou à falta delas! Foram tantos anos a fazer aquilo que era suposto que agora que posso escolher nem sei para onde me virar... às vezes cai-se no erro de não conseguir sair das quatro paredes, mas há que combatê-lo! Aproveita esse passeio, faz bem para ganhar inspiração e recuperar energias ;)

    ResponderEliminar
  4. "Não é um processo óbvio, nem tão pouco imediato..." nem tão pouco fácil!! aliás, nada fácil! Percebo demasiado bem... boa sorte nesta jornada diária de planeamento de cada momento do dia, da vida...
    bj

    ResponderEliminar
  5. Ai tão bom!!!!! Eu adoro trabalhar em casa, sabe-me mesmo bem fazer a minha gestão do tempo e rende-me imenso. Espero que seja uma fonte de inspiração!! beijocas

    ResponderEliminar
  6. oh não vos consegui fazer a "reportagem fotográfica" pk o meu telemóvel tem vontade própria.

    daqui a pouco coloco aqui algumas imagens do passeio. foi ESPECTACULAR e vou, sem dúvida, repetir... até porque constato que estou muito, muito enferrujada destas pernas.

    work out *precisa-se*

    ResponderEliminar
  7. Eu ás vezes também me sinto presa em casa mas ao mesmo tempo uma preguiça para sair e o peso na consciência do trabalho por fazer. Ao ler o teu texto, fiquei a pensar que poderia fazer o mesmo... Juntava apenas uma manta para me sentar a olhar a Ria de Aveiro enquanto tricoto ou faço crochet e ainda juntava o exercício físico ao pedalar ;)

    ResponderEliminar
  8. Assim é que é falar.

    Caramba, não cresceste mais desde os 12 anos?! tadinha! :P

    ResponderEliminar

Com tecnologia do Blogger.