x

Inspiração: Simone


Trouxe de casa dos meus pais os livros que- provavelmente - mais desfolhei durante a vida. Acho que não é exagerado dizer isto porque para além de me terem sido contados, também eu os li, vezes e vezes sem conta, anos e anos consecutivos. Até na adolescência. Até mesmo agora, nos 30. A culpa é maioritariamente desta "Simone", nome que daria a uma filha sem pestanejar (sim, só por causa deste livro).
A Simone é uma bébé como todas as outras, que quando não quer comer mais cospe a comida e que começa um dia de trabalho fazendo voar tudo de dentro das gavetas. À noite adormece feliz, agarrada à boneca preferida (gosto do pormenor de ser de pele escura) e uma colher. Para mim este foi, desde muito cedo, o exemplo perfeito de um bebé feliz. A minha filha nunca foi muito de desperdiçar comida (a chamada boquinha santa) mas sempre gostou de mexer em trapos (desde tenra idade dobra panos na perfeição) e dorme agarrada a uma bola e à Ovelha Choné.
Tudo isto para dizer que comecei a escrever e ilustrar histórias infantis. O objectivo é que provoque o efeito que a história da Simone tem em mim: que vos façam sorrir. Ao mesmo tempo queria pedir-vos ajuda e colaboração. As histórias são todas relacionadas com medos. Já aqui falei do medo que a minha filha tem dos botões e conclui que não é caso único. Escrevam-me e digam-me de que é que os vossos filhotes têm medo. Vamos ajudá-los a perceber o que ainda não compreendem, se possível, acompanhados de um sorriso. Conto convosco?

I brought to my parents' house the books that I probably most read in my lifetime. First they were read to me and then I read them myself, over and over again, for years and years in a row. Even as a teenager. Even now, at 30 something. "Simone" is the most special one, a name that would give a daughter without blinking, just because of this book. 
Simone is a baby like all the others, when she doesn't want to eat the food and she spits it all out and her work day begins taking everything out of drawers. In the evening she falls asleep, happy, clutching her favorite doll (I like the detail that is dark-skinned) and a spoon. For me this was the perfect example of a happy baby. My daughter never really wasted food but always liked to play with cloth, which she folds, since an early age, to perfection. And she sleeps clutching a ball and Shaun the Sheep.

All of this to say that I began to write and illustrate children's stories. I hope they cause the effect that the story of Simone has on me: make you smile. At the same time I wanted to ask your help and cooperation. The stories are all related fears. I've talked already about the fear that my daughter has from buttons and concluded that it is not the only one. Write me and tell me what your kids are afraid. Let's help them understand what they don't, yet. Always with a smile. Count I on you?

8 comentários:

  1. Que giro! Há quem diga que recordar é viver (desculpa a frase batida, mas não nenhuma frase que consiga reflectir tão bem o que quero dizer como esta)

    também gosto muito do nome Simone. Adoro mesmo.


    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Que ideia fantástica, Martinha! :)
    Medos... ele ainda é pequenino, não vi ainda nenhum medo dele. MAs tipo, quando passamos por um camião grande, ele diz: "É grande, mãe. Que medo.". lol
    Vou estar mais atenta.
    Beijocas

    ResponderEliminar
  3. Alice, :D beijinho

    Blue, já é uma ideia:) beijinhos

    ResponderEliminar
  4. só conhecia a anita ahha
    esta simone não, nem pelo nome

    ResponderEliminar
  5. Por causa dos medos ... o grande medo que tinha em miúda (?!) era a casa enorme e o escuro da noite ... sempre que ia ao quarto tinha que levar companhia. Mas o meu sobrinho (a propósito dos camiões), hoje enorme, quando pequenino, tinha medo dos pneus grandes dos camiões. Qd passávamos pela EN, onde os camionistas param para almoçar, se não o segurava, fugia para o meio da estrada. Bons contos para ti. Alexandra

    ResponderEliminar
  6. Alexandra, a minha filha tem medo de algumas zonas da nossa casa, como tem um pé-direito mais alto que o normal há qualquer coisa que não a deixa confortável, principalmente a porta envidraçada para as escadas :)
    obrigada pela partilha.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Filhos não tenho, mas tenho um sobrinho lindo com medo de palhaços :)

    ResponderEliminar
  8. Coquinhas, medo de palhaços é comum a muitos miúdos. obrigada!!

    ResponderEliminar

Com tecnologia do Blogger.
Design + development by MunichParis Design