x

Tu estás a ler, mãe? ::: Are you reading, mom?

 
Esta pergunta repetiu-se vezes sem conta, durante as férias. Assim que eu abria o livro, ela ficava atenta, fixando os meus lábios. "Estás a brincar, não é? Como se lê sem mexer os lábios?" E o espanto aumentava depois de lhe garantir que sim, é possível. Continuava a olhar para mim, e pelo olhar, a imaginar como seria possível tal proeza. Quando escolhi este livro para levar de férias, hesitei. Estar em Ibiza a ler relatos da realidade na Coreia do Norte pareceu-me estranho mas férias são sinónimo de prazer e eu sabia que com José Luís Peixoto isso seria garantido.
E assim voei, desde o mediterrâneo até ao Mar da China, tendo por vezes de olhar em redor e perceber que era hora de pousar o livro, era preciso comer qualquer coisa, fazer castelos de areia, dar um mergulho na piscina ou desligar a luz do quarto. Às vezes, quase esquecia que o meu destino era onde estava o meu corpo e não o meu pensamento. 
Terminei de ler o livro em pleno vôo, na maioria do tempo sobre um tapete de nuvens brancas. Assim que o fechei, e depois do marido sorrir ao ver-me de lágrimas nos olhos (típico), diz-me ela: 
"Que sorte, já posso ler, mamã?"
"Podes mas este livro não tem imagens..."
"Não há problema. Tu sabes ler sem mexer os lábios e eu sei imaginar histórias. Vou ver estas folhas todas até chegar a casa"
E folheou página a página, entretida a imaginar histórias. 
Sem mexer os lábios.

This question was repeated over and over during the holidays. As soon as I opened the book, she was attentive, fixing my lips. "You're kidding, right? How can you read without moving your lips?" And the amazement increased after I assured her that yes, it is possible. She continued to look at me, and by the look on her eyes, wondering how could such thing be true. 
When I chose this book to take on holidays, I hesitated. Being in Ibiza reading about the reality in North Korea seemed strange to me but holidays are synonymous of pleasure and I knew that with José Luís Peixoto that would be guaranteed. 
And so I flew from the Mediterranean to the China Sea, and sometimes had to look around and realize that it was time to put the book down, it was necessary to eat something, make sand castles, take a dip in the pool or turn off the light in the room. Sometimes, I almost forgot that my place was where my body was and not my mind. 
I finished reading the book during the flight, most of the time on a carpet of white clouds. Once I closed the book, and after my husband smile at me while I had tears in my eyes (typical), my daughter tells me:

"What a luck, I can read it now, mom?" 
"You can not but this book has pictures ..." 
"No problem. You know how to read without moving your lips and I know how to imagine stories. I'll read all this before we get home" 

And she flipped through page by page, entertained imagining her stories.
Without moving her lips.

4 comentários:

  1. As crianças são fabulosas. O meu filho também já me começa a perguntar Se estou a ler. Acho que começa a ter noção que aquelas linhas têm alguma coisa de especial. :)
    Beijocas

    ResponderEliminar
  2. Oh que lindo :) O texto está muito bonito!

    ResponderEliminar

Com tecnologia do Blogger.
Design + development by MunichParis Design