Lá em cima...

Uma das imagens da derradeira aproximação ao cometa /  ESA via Getty Images (via Expresso)
 
Admito que sou uma pessoa de paixões mas não de extremos. Confuso? Vou tentar explicar. 
Se adoro determinada coisa, não sou pessoa de deprezar o oposto. Respeito e até tenho um certo gozo em conversar com pessoas com ideias opostas à minha. Principalmente se perceber que também essas pessoas falam de forma apaixonada e que o respeito é recíproco. Sinto um desconforto enorme quando, numa conversa, percebo que do outro lado não há nada que lhes faça arrepiar, chorar, dar pulos de alegria ou desatar às gargalhadas. Pode ser um hobby, os filhos ou passar a ferro. Independentemente de eu me identificar com o assunto, indentifico-me com o sentimento. Falem-me do que vos faz FELIZ.

Ontem, ouve uma notícia que me fez aumentar o volume - e eu, durante as refeições, gosto da TV bem baixinho, de preferência apagada - o Philae pousou num cometa. Desde muito nova que adoro tudo o que tenha a ver com Astronomia. Talvez a "culpa" seja do meu pai, que tantas vezes disse comigo "até amanhã, lua", e nunca estranhou eu ficar no pátio com o pescoço completamente desconfortável, toda inclinada a ver as estrelas em pormenor. Sentia-me aproximar delas se olhasse durante muito tempo. Experimentem.
Hoje já trabalhei a ouvir vídeos da Agência Espacial Europeia e delirei com os abraços que aquele grupo de pessoas completamente desconhecida (para mim) trocou. Fascinei-me com as deslumbrantes imagens que revelam a forma e textura do cometa.
A minha filha tem os cometas da Imaginarium pendurados na cama, sabe o nome de todos e chama à atenção a quem pergunta por Platão. "Platão é uma estrela, não sabes?" E olha para mim, orgulhosa no "segredo" que partilhei com ela. O mais correto será dizer que é um planeta anão mas isso explico mais tarde.
Espero que também ela se fascine com o que gravita por cima da nossa cabeça. Que à noite olhe para cima e não veja mortos nas estrelas. Mas vida, muito vida. Um mundo infinito por descobrir e tudo aquilo que a imaginação dela permitir. 

4 comentários

  1. Olhar para cima e ver VIDA... CLARO! Porque bem vistas as coisas o que é a Morte se não fosse a Vida!!!!!

    ADOREI!!!! e sabes bem que não foi só por isto ;)
    Até já

    ResponderEliminar
  2. Completamente impossível ler o título deste post e não continuar 'há planícies sem fim, há estrelas… que parecem correr, há o sol…' e por aí fora. :)

    Bjs e bom fim de semana

    PS os livros já chegaram há muito, eu é que me esqueci de dizer. Estão reservados para oferecer :)

    ResponderEliminar
  3. Também tenho fascínio pela Astronomia. Também eu ficava no exterior da minha casa, quando morava no Minho e na minha aldeia, onde a escuridão permitia ver as estrelas mais lindas do mundo.
    Adoro ver a lua da minha janela enquanto cozinho e ir dizer aos meus homens que a lua está linda, mesmo que eles não se mexam um centímetro para espreitá-la. Mas eu sorrio com a partilha. :)

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar

Com tecnologia do Blogger.