Quem vê caras... vê expressões


Ainda me lembro de aparecer em frente à minha mãe com um par de olhos azuis ou verdes recortados das revistas e perguntar como me ficavam. Fechava os olhos e colocava-os sobre as pálpebras: Que tal? No final, eu concordava que ficavam sempre muito mal, preferindo os meus olhos castanhos mas era muito divertido. 
As páginas com caras de modelos "perfeitas" sempre me deram vontade para recortar olhos, nariz, orelhas, bocas e conjugar de outra forma (ou desenhar cicatrizes, sinais e tatuagens por cima). Na continuidade do nosso desfile de moda (link), sugeri à minha filha fazer o mesmo. Criamos novas personagens com histórias bem interessantes. Rimos muito e concordamos que algumas, mesmo com um olho de cada cor, até ficavam bem giras. 

I still remember, as a kid, appearing in front of my mother with a pair of blue or green eyes cut out of magazines. I closed my eyes and placed them on the eyelids: How do I look? In the end I agreed that they all looked very bad, preferring my brown eyes but it was a lot of fun.
Magazine pages with "perfect" models always made me want to cut out eyes, nose, ears, mouths and combine them differently (or draw scars, moles and tattoos on them). After our fashion show (link), I suggested my daughter to do the same. We created new characters with interesting stories. We laughed a lot and agreed that some of them, even with an eye of each color, were quite cute.


Sem comentários

Com tecnologia do Blogger.