Pintar com crianças (aviso: texto longo)

15 abril 2014

Já tenho respondido a alguns emails vossos relativamente a este tema, por isso resolvi desenvolver um pequeno post acerca da minha opinião sobre: pintar com crianças. Esta é a minha opinião com base na experiência cá de casa e sem qualquer base científica, exactamente como a pintar em casa com os nossos filhos deve ser: livre e sem regras.

COM QUE IDADE COMEÇAR?
Não vos sei dizer quando a minha filha começou a rabiscar mas penso ter coincidido com a altura em que começou a pegar numa colher. Sei de alguns casos em que as crianças tinham tendência a querer saborear o material de pintura mas isso nunca aconteceu cá em casa. Como é óbvio, cabe aos pais saber quando é que é seguro começar a introduzir este tipo de materiais mas a verdade é que em lojas tipo Imaginarium, há uma variedade de produtos para iniciar nas pinturas, como por exemplo os carimbos, que são indicados para idades dos 0-3 anos.

QUE MATERIAIS USAR?
Aqui há muitos factores a ter em conta. Mais uma vez, saber o que é seguro para a idade e fase de desenvolvimento da criança mas na maioria das vezes está relacionado com uma preocupação por parte dos pais: SUJAR. Na imagem em cima coloquei os materiais de pintura mais usuais e separei em duas categorias, limpos e sujos. 
LIMPOS: Para mim o mais prático é o lápis de cera. Os lápis de cor, não sujam mas facilmente partem o bico por isso, em idades mais pequenas, acabam por não ser tão práticos. Nas grandes superfícies existem baldes de lápis de cera que duram uma eternidade. Ofereceram um à minha filha quando fez um ano e ainda andam por aí muitos exemplares, alguns já partidos ao meio, mas dado o uso intensivo estão em excelente estado.
SUJOS: A minha filha adorou quando lhe ofereci a primeira caixa de aguarelas. Claro que as cores ficaram sujas na primeira utilização mas faz parte da aprendizagem. Nas grandes superfícies podem encontrar caixas de aguarelas a preços bem simpáticos e duram muito tempo (podem é ficar todas a pintar apenas preto muito rapidamente). Depois existem os guaches que podem comprar em frasco ou em tubos. Mais uma vez, é normal que o tubo se gaste na primeira utilização mas acredito que faz parte do conhecimento do material e da aprendizagem por parte da criança. Uma das principais vantagens é poderem aprender que as cores originam outras cores, misturando-as e observando o resultado. No caso de tintas à base de água, convém usar blocos de folhas tipo cavalinho para que absorvam mais rapidamente as quantidades monumentais de água que a criança vai usar. Também se encontra disponível em lojas tipo Staples, pincéis com o reservatório de água, que tornam mais prático o uso das tintas e eliminam a existência de um copo com água que às vezes vira na mesa e molha tudo pode onde passa.

ONDE PINTAR?
Folhas brancas! E por folha branca não me refiro à cor mas sim ao facto de estar livre de desenhos e contornos para preencher. Os livros de colorir podem ser mais interessantes por volta dos 4 ou 5 anos (aqui em casa ela não é fã) mas prometam-me que não obrigam nem penalizam as crianças se pintarem fora dos riscos. Deixem-nos inventar os seus próprios cenários. Não lhes digam, por exemplo, que o céu é o azul, até porque este inverno foi maioritariamente cinzento e ainda ontem ao final do dia tinha uns tons laranja e rosa lindíssimos. Comecem por lhes oferecer blocos de notas com folhas lisas para eles irem preenchendo, podem comprar ou simplesmente agrafar umas folhas que tenham lá por casa.

COMO PROTEGER A ROUPA E A CASA?
A maioria das tintas indicadas para crianças e à base de água, são facilmente laváveis. Em último recurso, quando não saem numa simples lavagem de mãos, saem mais tarde durante o banho. Como eu ando muitas vezes com os dedos e as mãos pintalgadas de tinta, acaba por ser um aspecto que coloco em segundo plano. De qualquer forma, hoje em dia, é fácil encontrar uma bata para pinturas mas o meu conselho é terem por casa um casaco ou uma camisa para usar apenas nestas situações, as mães mais habilidosas podem até coser uma bata mais personalizada (há vários modelos disponíveis online).
Relativamente à casa, se têm receio de salpicos e pinceladas nas paredes, o ideal é deixar a criança pintar numa mesa grande e proteger o tampo com um resguardo qualquer. Aqui em casa ela pinta na mesa de refeições e nunca pintou nas paredes, com excepção do quadro que pintei para esse efeito e que podem conhecer o processo aqui, aqui e aqui.

COMO GUARDAR PARA MAIS TARDE RECORDAR?
Aqui por casa não posso guardar todos os rabiscos dela mas sempre quis ter um local onde pudesse compilar os desenhos, por ordem cronológica, e perceber a evolução do traço dela e principalmente ver o que ela decide passar para o papel. Cada vez mais ela desenha aquilo que tem para ela verdadeiro significado: um arco-íris, a mãe a fazer ginástica, a cadela dos avós, a visita a um local especial, os personagens do Thomas ou do My Little Poney, as melhores amigas a brincar no recreio...
Com a ajuda da minha mãe (que ficou com ela em casa até aos 3 anos) fui seleccionando e arquivando numa pasta tipo portfolio (como esta) os desenhos mais significativos e para já, com 5 anos, consegui resumir e compilar tudo apenas numa primeira capa (que está quase a ficar completa). É verdade que tenho desenhos dela espalhados pela casa e alguns nos dossiers dos anos anteriores do jardim infantil mas penso que tenho conseguido cumprir este meu objectivo e ela, sempre que queira, pode facilmente folhear por entre os desenhos e ver o que fazia quando era bébé - esses, curiosamente, feitos na maioria com uma simples caneta BIC.

ESTAREI A CRIAR UM PICASSO?
Como partilhei convosco anteriormente eu tenho o hábito de fazer cadernos de viagem, como este, onde desenho o que vejo mas também anoto em texto sensações e peripécias das nossas aventuras em tempos de férias. Para além disso tenho blocos de desenho que costumo ter sempre na carteira onde rabisco ideias ou anoto momentos num determinado dia. A partir dos 3 anos, comecei a incluir na mala de viagem dela um bloco e material para desenhar, apenas para ela. Se no primeiro ano sobraram bastantes folhas em branco, nos seguintes os blocos parecem pequenos perante tanto que há para desenhar e é um orgulho, para ela, mostrar às pessoas o seu bloco e contar as férias através dos seus desenhos. 
Não é minha intenção que ela queira ser pintora, artista ou arquitecta (esta última então...) no entanto, não me importo que o seja, por opção, se for nessa área que se sinta realizada. Acredito essencialmente que desenhar, tal como dançar, cantar ou tudo o que complemente e explore o lado criativo das crianças só pode ser benéfico. Explorar a imaginação é trabalhar um pensamento crítico. É aprender, brincando. Todos nós temos a noção da quantidade de anos que passamos a estudar, muitas vezes matérias que não nos dizem muito e que às vezes decoramos para depois esquecer, por isso acho essencial que estes primeiros anos de vida sejam de exploração e descoberta, da maneira mais simples e libertadora possível. E pode ser que mais tarde, os tempos das fichas de actividades, testes, exames e provas orais sejam etapas a ultrapassar de forma interessada e criativa no nosso percurso de vida. Que sejam parte daquilo de algo que considero essencial. Conhecer o que nos rodeia e desenvolver a essência de cada um de nós. 

Comments

  1. Obrigada Marta, gosto da forma prática como colocas as situações.
    beijinho

    ResponderEliminar
  2. anf, ainda bem que gostaste. Tenho recebido algumas questões dentro do tema e ontem o teu comentário/questão fez-me elaborar este post. Beijinhos :)

    ResponderEliminar
  3. Tb já iniciei o meu piolho nas aguarelas. Mas as que lhe ofereceram não valem nada, tenho de investir noutras melhores. ;)
    Ele adora pintar, criar os rabiscos dele. Tenho imensos cadernos pretos, cheios de criações. Às vezes apetece-me jogar fora, outras dá-me pena. Acho que vou fazer uma selecção e arquivar, como dizes. :)

    ResponderEliminar